Como água para chocolate, de Laura Esquivel

Hoje vou de Como água para o chocolate, escrito por Laura Esquivel – Editora: BestBolso, título da sequência de leituras de janeiro de 2017. Para esclarecer tão grande atraso, normalmente eu leio os livros e escrevo um texto opinativo sobre eles em meu Diário de Leituras, para depois transcrevê-los para cá. O trabalho e a correria na vida, porém, muitas vezes me fazem protelar as postagens, e minhas impressões sobre as obras lidas acabam ficando quietinhas no caderno esperando serem resgatadas. Vamos à esta, então!

COMO_GUA_PARA_CHOCOLATE_1408387724B

Sinopse: É na cozinha que Tita, a protagonista, passa a maior parte do tempo. Sua vida está relacionada aos pratos que afetuosamente prepara. Este romance narra a história de Tita desde o seu nascimento em um rancho no norte do México, com destaque para sua juventude, o amor por Pedro, e a missão de cuidar da dominadora Mãe Elena. O tempero combina a revolução mexicana no início do século XX com o realismo fantástico marcante na literatura latino-americana. Uma obra para ser apreciada em todos os sentidos.

op.fw Passada ao norte do México, Como água para chocolate é a história de Tita de la Garza, uma adolescente que vive sob as rédeas de Mãe Elena, de quem, de acordo com uma tradição familiar, tem de cuidar exaustivamente até a morte, seja de uma ou de outra. Já seu pai morre quando ela ainda é bem nova, ficando sob a figura da matriarca o poder do rancho onde viviam.

A narrativa vem dividida em doze capítulos referentes aos doze meses do ano, e cada um deles inicia-se com a preparação de uma receita. Há uma mistura de sentimentos diversos – tristeza, amor, alegria, paixão etc – com a marcante culinária mexicana. Cada prato feito tem o sabor do que é sentido por Tita, que os cozinha. Verdadeiros rituais para prepará-los, desde a separação dos ingredientes e o cozimento até o extravaso do que lhe tomava o peito.

O eixo central é o amor/paixão existente entre ela e Pedro, este que se casa com Rosaura, irmã de Tita, a fim de poder ficar perto dela, já que Mãe Elena a proíbe de casar por conta da obrigação que lhe foi imposta e que ela carrega como um fardo.

Há também a presença de John Brown, o médico da história, que traz um pouco de calmaria para a vida de Tita. John nutre pela jovem um grande amor e cuida para que ela se sinta pelo menos um pouco feliz diante da tortura que é amar o proibido e viver na tentação de pecar contra a irmã.

Eu, por vezes, senti-me sufocada com a leitura, porque a história é densa, angustiante por conta da peleja das personagens. Quanta vida sofrida… E há um toque marcante de fantasia (a chamada realidade fantástica) em muitos dos acontecimentos passados ali, fazendo nos sentir delirantes após nos empaturrarmos com as comidas preparadas na cozinha de Tita.

Fora isso e apesar da densidade, a linguagem poética da narrativa nos toca e, na minha opinião, é o que faz valer realmente a leitura do livro. Gosto muito quando as palavras dançam aos nossos olhos despertando-nos para a beleza delas, e em Como água para chocolate elas me proporcionaram esse prazer. Ainda bem, pois desejei tanto lê-lo que me sentiria decepcionada se não houvesse esse lado recompensador.

Então ele ganhou ❤ ❤ ❤ ❤ .

Para finalizar, há uma adaptação da obra para filme, o qual ainda não tive a oportunidade de ver.  De acordo com informações, é uma adaptação fidedigna à obra, indicado, inclusive ao Oscar de melhor filme estrangeiro na época.

Imagem relacionada

Para quem curte, fica a dica!

Assinatura18.fw

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s